Resenha: Horas Noturnas

A resenha de hoje é do livro “Horas Noturnas”, da autora Bianca Carvalho.

Eu nunca havia lido nada desse gênero e resolvi arriscar. E vou ser bem sincera: Que surpresa maravilhosa! O livro superou completamente as minhas expectativas!

horas noturnasSinopse: 
Inglaterra, 1863.
Uma bela e delicada mulher com inteligência aguçada para investigação…
Um charmoso caçador de assassinos tornando-se lenda por eliminá-los com requintes de crueldade…
Um assassino que deixa charadas, com sede de sangue e um gosto peculiar por Edgar Allan Poe…
Três almas unidas com diferentes propósitos.
Apenas uma chance de sobreviver…
Quando a noite cai, todas as almas possuem um gosto pela maldade…
| Compre aqui o livro físico na Editora (Pré-Venda) |
Clique aqui e leia o livro no WattPad |

A história gira em torno de Maryanne, uma jovem impulsiva, inteligente e determinada. Diferente das meninas de seu tempo, ela é dona de uma mente perspicaz e tem um gosto peculiar por investigações. Porém, o talento para resolver mistérios é de família: Ela é filha de Joseph Lestrange, um ex-inspetor da polícia que agora trabalha como detetive particular e conta com as observações de Maryanne para ajudar a solucionar seus casos.

Depois da morte da esposa, o detetive Lestrange se tornou uma pessoa muito protetora e faz o possível para manter sua filha afastada das investigações, mas domar os impulsos de uma menina destemida como Maryanne é quase uma coisa impossível.

Após a ocorrência de alguns assassinatos na cidade, Lestrange é chamado para cuidar do caso, o qual se trata de um assassino que tortura e mata jovens moças (com mais ou menos a idade de sua filha) e deixa bilhetes com poesias de Edgar Allan Poe, como se fossem charadas a serem desvendadas.

Maryanne se interessa cada vez mais pelo caso e Lestrange teme cada vez mais por Maryanne…

O que ninguém sabe é que, na solução dos casos, Lestrange conta com a ajuda de um misterioso homem mascarado conhecido como “Caçador”, um assassino de assassinos, que sempre deixa sua marca. Um homem que faz justiça com as próprias mãos e mata a escória da sociedade: assassinos de mulheres, crianças e abastados protegidos pela justiça corrupta.

Maryanne um dia acaba conhecendo o “justiceiro da cidade” e o que Lestrange não esperava é que a mútua atração entre o “Caçador” e sua filha fosse ser tão forte…

Quem é o assassino que vem ceifando a vida de jovens moças? Quem é o homem por trás da máscara do “Caçador”? Estaria Maryanne em perigo? São perguntas que só lendo o livro você irá descobrir. 😉

Ao ler “Horas Noturnas”, eu senti uma atmosfera como a dos filmes “Sherlock Holmes” e o “Corvo” (que fala sobre Edgar Allan Poe). Conforme eu lia, eu criava todo um cenário na minha cabeça bem no estilo dessa época. A narrativa da autora é muito completa e descritiva, permitindo que você possa imaginar os mínimos detalhes das cenas.

Eu gostei muito da personagem Maryanne, não só por ser uma mulher à frente de seu tempo, mas por ser audaciosa e lutar pelo que quer. Fora que, ao mesmo tempo em que é durona por fora, ela é bem sensível por dentro. O que torna a personagem cativante. Aliás, os três personagens principais foram tão bem construídos que cada um consegue fisgar o leitor de alguma forma!

“Nenhum ser humano é incorruptível, todo mundo pode se tornar cruel quando há algo que lhe importe mais em jogo. Cada um possui suas insanidades.”

O livro instigou minha curiosidade e me prendeu até o fim. Não teve uma narrativa afobada e os acontecimentos foram muito bem amarrados, sem deixar furos no enredo.
E gente, que final foi esse?! Me surpreendeu completamente! Eu já estava criando mil e uma teorias na minha cabeça e quando fui ver, não passei nem perto! Amo livros assim!

O livro foi muito bem escrito por Bianca, que criou personagens interessantes e que nos deixam ávidos para saber cada vez mais da história.

Eu nunca havia lido nada da autora e sinceramente, depois deste livro, posso afirmar que me tornarei uma leitora assídua de suas obras. ❤

Título: Horas Noturnas
Autora: Bianca Carvalho
Editora: EraEclipse
Nota: 5

Anúncios

Resenha: A Verdadeira Bela

A resenha de hoje é do livro “A Verdadeira Bela”, da autora Li Mendi.

Este livro superou completamente as minhas expectativas!

Ao ler “A Verdadeira Bela”, eu ri horrores, senti angústia, felicidade… Pude sentir a história à flor da pele. Mas não pensem que é um livro intenso, pesado… Muito pelo contrário. É uma narrativa leve, rápida e muito divertida!

livro da liSinopse: Nicole está prestes a entrar para uma agência de publicidade famosa e lá enfrentará o conflito entre a auto-imagem e a visão distorcida dos seus colegas a seu respeito. A pressão psicológica que acontece com bullying nas redes sociais será vencida por um grande amor, que surge para fortalecê-la e protegê-la de todos os preconceitos.
Fernando é admirado por seu dinheiro e poder, mas, no fundo, luta contra uma secreta baixa auto-estima. Com medo da própria imagem que forma no olhar do outro, ele se critica e se fecha. Até que um dia seu caminho se choca com o de Nicole e os dois aprendem juntos que o amor não é cego. Ele vê com clareza o que nem todos veem: a verdadeira beleza completa do ser amado.
Com muito bom humor, este livro irá tomá-lo do começo ao fim e envolvê-lo em uma estória que fala de um homem tentando entender o seu passado e de uma garota lutando pelo seu futuro. De repente, os dois se veem um de frente para o outro e descobrem a essência de um amor eterno.
| Compre no site da Editora | Compre diretamente com a autora |

A trama gira em torno de Nicole, formada em Publicidade pela UFRJ, que sonha trabalhar na “True-B”, uma das maiores agências publicitárias do país.
Nic consegue a sua tão sonhada entrevista com a True-B e no dia mais importante da sua vida, ao dar uma volta no shopping antes do compromisso com a agência, acaba esbarrando e despejando seu almoço na camisa de Fernando, um homem rico, lindo e poderoso.

Nicole pede desculpas e tenta diminuir o estrago da camisa, porém deixa a mancha ainda maior. Com cara de poucos amigos, o rapaz a leva em uma loja para que ele possa comprar uma camisa nova e logo depois a convida para almoçar com ele, aproveitando que já estão por lá e o almoço de Nic se encontra todo na camisa dele. Nic aceita, já que a conexão que sentiu com Fernando, logo de cara, era irresistível.

Durante o almoço Nic fala sem parar sobre entrevistas em geral, sobre coisas que acha idiota e que odeia nessas seleções, e todas as coisas e baboseiras que vinham à sua cabeça!
Mal sabia Nic que Fernando não era um cara qualquer.

Era errado falar tantas verdades para um desconhecido? O seu sonho iria por água abaixo? Era destino que tivessem se esbarrado no shopping? E como lidar com essa conexão inexplicável entre eles?

De cara, eu já me identifiquei com a personagem principal. Pensa numa pessoa engraçada, falante e desastrada?! Bingo, paixão na certa! A personagem Nicole é extremamente carismática. Na quinta página do livro eu já tinha sido fisgada pela história.

O livro é narrado tanto por Nicole, quanto por Fernando, o que na minha opinião é um mega acerto. Livros com narrativas alternadas sempre me divertem mais!

A autora conseguiu criar personagens super cativantes e numa escrita leve e descontraída, consegue fazer com que você se sinta vivenciando a história.
Apesar de ser uma leitura rápida (com somente 157 páginas), o livro de Li Mendi tem um enredo bem escrito, sem furos ou brechas no desfecho.

Na vida, precisamos descobrir o que são pedras que sustentam nossa fundação e o que são meros adereços da casa. Certas peças são tão bonitas e caras que damos valor pelo que representam para as pessoas quando as veem, não porque verdadeiramente nos seguram. Saber distinguir isso nos permite não depositar felicidade em fantasias.
p.136 – 137

Eu simplesmente me apaixonei pelo livro e ele entrou para a minha lista de favoritos.
Não vejo a hora de ler outras obras da autora!

Título: A Verdadeira Bela
Autora: Li Mendi
Editora: Highlands
Nota: 5

Resenha: Griphos Meus

A resenha de hoje é do livro “Griphos meus: cinema, literatura, música, política & outros gozos crônicos”, do autor parceiro Felipe Ferreira.

O livro é uma obra de produção independente que reúne textos do autor, publicados nos sites Publikador, Ambrosi e Cinem(AÇÃO), dos quais Felipe é colunista.

fferreira2‘Griphei’ e exatamente nesse dia um verbo começou a ser conjugado.
Este livro reúne os principais textos dessa ostra.
Não são críticas de filmes com estrelas qualitativas, não são análises literárias que consagram romances ou condena-os ao fracasso, não são resenhas musicais que classificam determinado álbum e/ou artista como “brega” ou “contemporâneo”. Não são!
Meus ‘griphos’ são vômitos sinceros e viscerais de experiências artísticas que de alguma forma provocaram (e provocam!) meus sentidos e instigam meus instintos de criador/criatura.
Ao todo são 22 griphos kynematográficos (entre produções nacionais, curtas metragens, documentários e filmes estrangeiros), 06 griphos literários, 04 griphos musicais (incluindo um manifesto), 03 griphos políticos, 04 griphos crônicos e 03 griphos eróticos.
Deleitem-se!
Facebook | Twitter | Instagram

Talvez o nome do livro possa levar o leitor a acreditar que se trata de um livro fechado, voltado para o próprio “mundo do escritor”. Muito pelo contrário.
Não pense que você irá ler um livro cheio de amarras, com opiniões camufladas pelas regras da sociedade. Neste livro, Felipe simplesmente escancara suas opiniões e “joga na cara da sociedade” (em críticas inteligentíssimas) seus pensamentos e observações sobre filmes, livros, música e política.

A impressão que tive ao ler o livro era de que eu estava tendo uma conversa com o autor. Felipe é tão natural em suas críticas, mesmo que aguçadas pelo calor da escrita, que parecia simplesmente que era um amigo me abrindo os olhos sobre determinados assuntos. Não se trata de crítica feita somente pelo ato de criticar, “meter o pau”. É critica com fundamento, opinião e emoção.

O que mais gostei no livro foram alguns Griphos kynematográficos, que fizeram eu me interessar por filmes que nunca havia ouvido falar. Mas o meu gripho preferido foi um gripho literário, de nome “Humana Flor: Alma e poesia de uma atriz”, que faz referência ao livro escrito pela atriz Andréia Horta.

“O livro ‘Humana Flor’ revela a vertente poética de um ser que o tempo todo troca de pele, muda de corpo, transmuta a alma.
Calamos a atriz, e damos voz à mulher.
Os poemas, tão abstratos na maioria das estrofes, mas concretos como o roteiro de um filme baseado em fatos reais, perpassam os mais plenos, os mais sofridos e os mais escrotos momentos da vida.”
p.110

Todos os textos do livro são bastante pessoais e intensos, mas é uma boa leitura – principalmente para cinéfilos como eu – e que permite que possamos concordar e discordar do autor nos mais variados assuntos.

O autor também escreveu uma crônica, que consta no livro e se tornou uma das minhas preferidas. O nome é “Velinha, Velinhas e combustão” e senti realmente como se fosse algo “visceral”, o que de fato era a intenção de Felipe desde o início.

Não sei falar, aprendi. A fita corre demais, a fanhosidade me incomoda… Digo, escrevendo, jogando palavras, distribuindo carapuças e destilando ironias.
p.170

Aconselho o livro para leitores de mente aberta, que gostam de textos bem escritos e de opiniões fortes.

Título: Griphos meus: Cinema, literatura, música, política & outros gozos crônicos
Autora: Felipe Ferreira
Editora: Edição do autor
Nota: 4

Obs.: Para quem se interessar pelo livro, é possível comprá-lo diretamente com o autor, enviando um email para felipe.grifosmeus@outlook.com 😉

Resenha: Sempre foi você – Trilogia Amores Traçados

A resenha de hoje é do livro “Sempre foi você”, da autora parceira Ana Lemos.

Eu li esse livro rapidamente e ao mesmo tempo enrolando para que não acabasse, sabe?! E a sensação que ele deixou ao final foi de que eu pre-ci-so da continuação pra ontem! (Por que fizeste isso comigo, Ana?! Hahaha)

CAPA OFICIALSinopse: Quando a brasileira Lucy Somel passou a morar em Nova York ela tinha apenas uma meta: concluir a faculdade de Direito e trabalhar ao lado de sua grande amiga, Anna. O amor parece não caber em seu projeto de vida, considerando os poucos, breves e decepcionantes relacionamentos.
No entanto, esta linda e inteligente mulher será surpreendida por uma forcinha do destino ao conhecer seu orientador para o trabalho de conclusão do curso. Marco Salvatore é uma lenda dos Tribunais, talento que lhe garantiu a fama de ser um dos melhores advogados da cidade, porém, relacionamentos amorosos também não estão em seus planos.
O desejo entre os dois é imediato, mas será o suficiente para fazer Marco mudar de ideia e iniciar um relacionamento duradouro? Ou fazer Lucy acreditar que pode viver um grande amor?

Facebook | Instagram | Compre o livro aqui

A história gira em torno de Lucy, uma brasileira que aos 16 anos conheceu Anna, uma americana que, devido ao trabalho de seu pai, veio estudar no Brasil e se tornou uma inseparável amiga de Lucy.
Quando os pais de Anna descobrem que Mary (mãe de Anna) está grávida, decidem que devem voltar para os EUA. Isso causaria a separação de Lucy e Anna que, a essa altura, já eram quase como irmãs. Sabendo que o sonho de Lucy sempre foi estudar e trabalhar em NY, os pais de Anna convidam a menina para ir com eles e se oferecem para bancar os estudos dela por lá, e em troca, Lucy cuidaria do bebê.

Anos depois, Lucy e Anna estão no último ano da faculdade de direito e cada uma é designada para um tutor, uma espécie de orientador que deverá acompanhá-las até o final do TCC. É quando Lucy conhece Marco Salvatore, um advogado lindo, sexy, bem sucedido e que será seu tutor.
A vida de Marco muda completamente depois de colocar os olhos em Lucy, e Marco consegue deixar Lucy completamente louca ao pensar que terá que manter relações estritamente profissionais durante um ano com um homem daqueles. Mas é claro que a história não é bem assim né?! Hahaha 😉

O livro é uma leitura gostosa, daquelas que flui tão bem que quando você se toca, já passou de mais da metade do livro. Os personagens são cativantes, Mary e Michael (pais de Anna) são os pais que toda garota gostaria de ter: Companheiros e cúmplices. Anna é uma ótima amiga para Lucy e vice-versa, sem contar os outros amigos em comum das duas (Bia, Kat e Thomas), que estão sempre presentes para o que elas precisarem.

A narrativa é bem descritiva, te dando os mínimos detalhes do vestuário dos personagens, maquiagens e afins, o que torna mais fácil imaginar a cena. As cenas de sexo também são detalhadas, mas nada absurdo do tipo “Oh meu Deus, não creio que li isso!!!”.

aana

Quote do site da autora

Uma das coisas que mais gostei é que em alguns capítulos as narrativas se alternam, hora sendo contato do ponto de vista de Lucy, hora do ponto de vista de Marco.

O final do livro me deixou um pouco agoniada, porque queria saber mais sobre aquilo e simplesmente acabaram as páginas, deixando ali a brecha para o segundo. Agora é esperar o lançamento do próximo livro (para uma pessoa ansiosa como eu, isso é tortura!).

Além disso descobri que, por você, sou capaz de qualquer coisa.
– Marco

O romance é envolvente, tem uma pitada de ciúme, provocação e sexo na medida certa.
Eu recomendo para quem gosta de bons livros de romance e new adult

Título: Sempre foi você
Autora: Ana Lemos
Editora: Novo Século
Nota: 4

Resenha: Quando Nerds Encontram Orcs

elias 4

A resenha de hoje é do livro “Quando Nerds Encontram Orcs”, do autor parceiro Elias Ribeiro!
Eu demorei um pouco para terminar de ler esse livro porque queria prestar atenção aos mínimos detalhes, imaginar tudo da forma que era descrito. E sinceramente, no final das contas, eu realmente me sentia dentro de uma partida de RPG!

elias1Sinopse: Elfos, orcs e dragões. Que nerd nunca sonhou em ficar frente a frente com essas criaturas? Heitor nunca, mas ele não teve a oportunidade de fazer esta escolha.
Um estranho grupo de seis amigos é lançado em uma inesperada e insólita aventura, quando um obscuro artefato é acidentalmente ativado durante uma partida de RPG. Agora, eles se veem dentro dos corpos de seus personagens de jogo e lutando pela sobrevivência, enquanto tentam resolver a mais estranha partida de RPG, da qual já participaram. Otakus, nerds e geeks, terão que se unir, em busca de uma saída daquele lugar. Em meio a grandes referências aos anos 80 e 90, Role Play fala mais do que de fantasia, mas sim do amadurecimento interno do qual todos nós passamos ou passaremos algum dia. Todos possuímos nossos dragões, mas será que podemos encará-los?

| Página oficial do livro | Livro no site da editora |

O livro “Quando Nerds Encontram Orcs” é o primeiro da série Role Play e marca o início da história de 6 amigos, de diferentes idades, que se encontram para uma partida de RPG e vão parar acidentalmente dentro do jogo, representando seus próprios personagens (clássicos do RPG: o ladrão, a mercenária, o mago e etc) e precisam lutar contra os males de uma era medieval cercada de fantasia.

A trama gira em torno dos seguintes personagens:

  • Heitor, um jovem nerd, entediado com o seu trabalho em uma empresa de segurança eletrônica e que só quer participar da partida de RPG porque sabe que sua ex-namorada estará lá;
  • Celina, amiga de Heitor, nutre um carinho especial por ele e nunca jogou RPG na vida;
  • Magali, ex de Heitor, viciada em RPGs, Mangás, card games e um pouco infantil para sua idade;
  • Caio, o tímido amigo de Magali;
  • Phillip, pintor e proprietário (juntamente com Alex) do ateliê onde será realizada a partida de RPG e dono de um sarcasmo incansável;
  • Alex, poeta/artista plástico e também dono do ateliê;
  • Gabriel, um típico menino nerd de 14 anos, que será o mestre do jogo e levará um livro bastante antigo para auxiliá-lo na partida.

Ao se reunirem no ateliê para começar a partida, um estranho acontecimento faz com que os jogadores sejam transferidos para dentro do mundo do jogo, uma era medieval, cercada de Orcs, Elfos, Goblins e muita magia.

Durante todo o livro você encontra notas de rodapé explicativas para os termos usados, ou seja: fique tranquilo se você não é nenhum expert em RPG, dá para ler e se divertir tranquilamente sem necessariamente saber tudo sobre o assunto (mas é claro que se você souber fica muito mais divertido!).

elias2

Todos os personagens do livro são diferentes e conseguem criar um vínculo com o leitor. A personagem que eu mais me identifiquei foi a Celina. Talvez pelo temperamento “bravinho”. hahaha
Outro personagem que também gostei muito foi Idos, um mago engraçado e nada humilde que os amigos encontram durante a aventura.

Com personagens carismáticos, o autor criou uma boa história, capaz de te prender e fazer com que você realmente se sinta dentro de um jogo de RPG.  As caracterizações são muito ricas e você será capaz de imaginar os mínimos detalhes. Em determinado momento da história, o grupo de amigos se divide e os acontecimentos são contados em narrativas diferentes, o que achei que foi um ponto positivo para o livro. Ficou muito mais fácil de entender e deu a devida atenção que todos os personagens mereciam.

O único ponto que me incomodou um pouco foram alguns erros ortográficos, mas nada que atrapalhe a leitura e que não possa ser consertado na próxima edição.

Por fim, “Quando Nerds Encontram Orcs” é uma leitura cheia de humor, fantasia e aventura, que irá despertar o lado “nerd” do leitor e fazê-lo ansiar por mais.

elias3

Não vejo a hora de ler o segundo livro da série Role Play ❤

Título: Quando Nerds Encontram Orcs
Autor: Elias Ribeiro
Editora: Buriti
Nota: 4,5

Resenha: Bela Distração

ABM_1424613989

Eu ganhei o livro Bela distração assim que havia lançado, lá em novembro. Ainda não tinha nem lido Belo Casamento. Achei que talvez pudesse fazer alguma falta não ter lido Belo Casamento antes de começar com essa leitura, apesar de ser um spin-off. Na verdade, não fez muita diferença. Eu estava com um pouco de receio de o livro ser a mesma história, o mesmo tipo de personagem e ficar tudo muito repetitivo. Mas o livro Bela Distração consegue ser totalmente diferente de Belo Desastre e ao mesmo tempo te prender da mesma forma. Eu li o livro em três noites (em época de provas da faculdade ainda por cima), porque simplesmente não conseguia parar. Se você gosta do gênero New Adult, então pode ter certeza que a escrita de Jamie McGuire vai praticamente viciar você.

Sinopse:
Cami Camlin é uma garota intensa e independente, dona do próprio nariz desde a época do ensino médio. Agora, cursando a faculdade e trabalhando como bartender no The Red Door, Cami não tem tempo para nada, até que uma viagem para visitar seu namorado é cancelada e, pela primeira vez em quase um ano, ela tem um fim de semana de folga.
Trenton Maddox era o rei da Universidade Eastern. Os caras queriam ser como ele, as mulheres queriam domá-lo. Mas, depois de um trágico acidente virar sua vida de cabeça para baixo, ele deixa o campus para lidar com a culpa esmagadora.
Um ano e meio depois, Trenton está morando com o pai e trabalhando em um estúdio de tatuagem para ajudar a pagar as contas. Justamente quando ele pensa que sua vida está voltando ao normal, nota Cami sozinha em uma mesa no Red Door.
Como a irmã mais velha de três caras de pavio curto, Cami acredita que não terá problemas para manter a amizade com Trenton no nível estritamente platônico. Mas, quando um Maddox se apaixona, é para sempre — mesmo que Cami possa ser a razão para que a já fragilizada família Maddox desmorone de vez.
Em Bela distração, o leitor vai mergulhar novamente nas emoções do universo de Belo desastre, além de vislumbrar mais alguns momentos do casal mais amado da literatura new adult, Travis e Abby.

A história gira em torno de Cami Camlin e Trenton Maddox e se passa na mesma época que Belo Desastre, quando Travis conheceu Abby (e se você lembrar, Cami apareceu no livro algumas vezes como bartender do Red Door). Portanto, em Bela Distração temos vários vislumbres de coisas que aconteceram durante a história de Travis e Abby.

Trenton é o típico Maddox: Bad boy, tatuado e mulherengo. Porém, assim como o irmão, por baixo da cara de mau e do pavio curto, Trent é um cara sensível, doce e engraçado.

Cami é uma menina batalhadora, independente, que vem de uma família de três irmãos mais novos, um pai violento e uma mãe submissa. Cami sempre tenta resolver todos os problemas, o que faz com que a culpa das coisas sempre caia sobre ela.
Devido as constantes confusões e de sempre ter que lidar com esse tipo de coisa, assim que Cami arrumou um emprego de bartender no Red Door e se tornou independente, ela saiu de casa, resolveu dividir um apartamento com a melhor amiga Reagan (que também trabalha no Red Door) e se afastou dessas confusões.

O início da história se dá com o atual namorado de Cami, T.J., furando mais uma vez um encontro com ela (o cara é muito, muito ocupado). E Cami, que nunca tem tempo livre devido ao trabalho e a faculdade, se vê sem planos por uma noite, então resolve sair com sua colega de quarto.

É aí que Cami se depara com Trenton Maddox, que ela conhece desde pequena, e de quem ela tem uma lembrança bem clara da fama com as mulheres (e ela sempre jurou que não seria mais uma na lista dele). Trent se aproxima de Cami, senta na sua mesa e puxa papo com ela. A partir desse momento, Trent estará empenhado em fazer de tudo para conseguir se aproximar de Cami.

Cami sabe que pode ser capaz de manter uma amizade um tanto quanto “platônica” com Trent; Ela tem um namorado, que apesar de quase nunca estar presente, ainda assim é seu namorado. Porém Trent sempre está ali por ela, é atencioso, faz dela sua prioridade… Como resistir?!

Eu era muito esperta. Esperta o suficiente para ter mantido distância de Trenton por tantos anos. Eu tinha visto o cara paquerar, seduzir e desaparecer desde que éramos crianças. Não havia absolutamente nenhum truque que Trenton Maddox pudesse usar para o qual eu não tivesse preparada.
p.35

Durante todo o livro existe um “segredo”, que ao descobrirmos (e isso é só na última página, portanto não leiam sem querer) nos mostra o porquê de Cami resistir tanto a criar um vínculo afetivo com Trent. E confesso que fiquei pasma, eu não esperava por aquilo. Pra mim, foi o ponto alto do livro e o que tornou o livro realmente diferente de Belo Desastre. Ótima sacada da autora!

Bela Distração traz a mesma essência de Belo Desastre, é sexy, apaixonante e nos deixa ansiosos por mais.

Algumas pessoas acharam uma “cópia mal feita” de Belo Desastre. Ao meu ver são duas histórias diferentes, personagens mais maduros, não tem aquela coisa da paixão insana e o relacionamento dos personagens é diferente.

Resumindo: O livro é gostoso de ler, te deixa querendo mais e o final me surpreendeu. Me apaixonei pelo Trent, assim como me apaixonei pelo Travis. E acho que se a autora continuar assim nos próximos livros dos irmãos Maddox, ainda tenho mais três para me apaixonar. ❤

Título: Bela Distração
Autor: Jamie McGuire
Editora: Verus
Nota: 5

Resenha: Belo Casamento

20150219_215411

Depois de muito tempo, tomei vergonha e fui comprar o livro Belo Casamento, que conta os detalhes do casamento de Travis e Abby, de Belo Desastre.

Sinopse: A louca e viciante história de amor de Travis e Abby foi narrada por ela em Belo desastre e por ele em Desastre iminente. Como num conto de fadas moderno, sabemos que eles se casaram e foram felizes para sempre… mas quanto realmente conhecemos dessa história?
Por que Abby fez o pedido de casamento?
Que confidências eles trocaram antes da cerimônia?

Belo Casamento é um livro rápido, de apenas 106 páginas. Eu o li em apenas uma tarde.
O livro é narrado por ambos os personagens (amo livros com ponto de vista dos dois lados) e serviu mais para preencher alguns espaços/dúvidas que ficaram com os outros dois livros. Em Belo Casamento, o leitor descobre o porquê da Abby ter tomado a decisão de se casar com o Travis (já que antes ela tinha aversão a ideia de se casar muito nova), fala um pouco mais da mãe do Travis e explora a culpa que paira sobre os dois em relação ao incêndio que houve antes do casamento durante uma luta de Travis (se você leu “Belo Desastre”, sabe do que tô falando).

[spoiler]:
Um dos pontos fortes do livro é uma carta, deixada pela mãe do Travis quando ele ainda era pequeno, que foi escrita para a futura esposa dele. Essa carta conseguiu me emocionar; A autora escreve de uma maneira que realmente consegue nos tocar e eu me senti na pele da própria Abby lendo aquilo.
[/spoiler]

Confesso que senti um pouco a falta da America e do Shepley nesse livro, mas o enfoque é o casal principal mesmo.
Acho que não posso mais citar coisas sobre o livro porque vou acabar dando mais spoiler e perdendo a graça pra vocês, rs.

Belo Desastre se tornou meu livro favorito e Travis e Abby o meu casal literário preferido também! Jamie McGuire criou personagens cativantes que ganharam nosso coração. Belo Casamento parece ser o último livro com o casal (apesar do desfecho do primeiro livro que mostra como será a vida deles 11 anos depois).
Mas podem se alegrar: vai ter spin-off dos irmãos Maddox!
Aliás, já foi lançado o primeiro Spin-off que se chama “Bela Distração”, que eu já li e prometo que venho fazer uma resenha sobre. E pasmem: Consegue ser tão bom quanto “Belo Desastre”!

Resumindo: “Belo Casamento” é um livro curto, fofo e que te deixa matar um pouco a saudade do casal Travis e Abby.

Eu sabia, no segundo em que te conheci, que havia algo em você que eu precisava. Acabou que não era algo em você. Era simplesmente você.”
p.12

Título: Belo Casamento
Autor: Jamie McGuire
Editora: Verus
Nota: 3,5